top of page
Buscar
  • Bruno Crispim

5 técnicas para criar suspense



5 técnicas para criar suspense

Antes do post de fato, queria esclarecer uma dúvida que foi recorrente nessa semana: sim, eu dou aulas particulares de escrita. Eu chamo esse acompanhamento de mentoria literária.


Se você sonha em terminar um livro, mas está perdido, a mentoria é para você. Se precisar dessa ajuda, é só me contatar aqui ou acessar esse link para saber mais.


------


O TED-Ed é uma organização sem fins lucrativos formada por um grupo de Em um vídeo para o TED-Ed, Victoria Smith compartilha cinco técnicas para criar suspense nas suas histórias. Abaixo, discorro sobre cada uma delas.


O QUE É O SUSPENSE

Do que você tem medo? Escuro? Cachorros? Serial Killers? Boletos?

H.P. Lovecraft disse que “o tipo de medo mais antigo e mais impactante é o medo do desconhecido” – é sobre isso que trata o suspense.

Na literatura e no cinema, depois que nos mostram algo ruim acontecendo e entendendo que algo de pior está para acontecer, nós ficamos suspensos, aguardando e imaginando o que as personagens terão que enfrentar. Este é o estado de suspense.

Os exemplos mais óbvios de suspense estão nos livros e filmes de terror e nas histórias de mistério. O que será que existe dentro daquela mansão mal-assombrada? Qual dos hóspedes é o assassino?

Mas suspense também é muito usado em outros gêneros. Será que o herói vai conseguir salvar o mundo – já que o vilão é tão poderoso? Será que o casal vai ficar junto no final, depois daquela briga? O que será que o protagonista tanto esconde?


O fundamental para se criar suspense é estabelecer uma ou mais perguntas que deixem a audiência curiosa para descobrir as respostas. Para manter a atenção dos leitores, é preciso manter seu interesse no que está acontecendo e fazê-los seguir tentando adivinhar o que vai acontecer na sequência, até que a história ofereça as respostas que eles queriam tanto receber.


Sem mais delongas, vamos às cinco técnicas usadas para criar suspense.


1 – LIMITE O PONTO DE VISTA

Ao invés de usar um narrador onisciente que pode ver e compartilhar tudo o que acontece, conte a história da perspectiva de uma das personagens. Elas talvez comecem a história sabendo tão pouco quanto o leitor e, à medida que descobrem certas informações, o leitor também ganha esse conhecimento.

Histórias clássicas como Drácula, por exemplo, são contadas através de cartas e páginas de diários, onde as personagens relatam suas experiências e seus medos sobre o que pode acontecer.


2 – ESCOLHA BEM O CENÁRIO E A LINGUAGEM

Mansões velhas ou castelos com corredores sinuosos e passagens secretas sugerem que coisas perturbadoras estão escondidas nesses locais.

Noites escuras, neblina e tempestades também têm um papel importante porque limitam a visibilidade e limitam os movimentos dos personagens.

É por isso que a Londres vitoriana é um cenário tão popular. Mas mesmo lugares e objetos ordinários podem ser apresentados de uma forma sinistra. Na novela gótica Rebecca, as flores na casa nova da protagonista são descritas como vermelho-sangue.


3 – ATENÇÃO PARA O ESTILO E A FORMA

Você pode criar suspense prestando atenção cuidadosa não somente ao que acontece, mas também na maneira como este acontecimento é apresentado e no ritmo que certas informações são reveladas.

Em O Coração Revelador, Edgar Allan Poe usa frases fragmentadas que são interrompidas repentinamente para expressar o estado mental do narrador. Essa ruptura constante cria uma mistura de pressa ofegante com pausas angustiantes.

No cinema, Alfred Hitchcock é conhecido por usar longos silêncios e imagens de lances de escada para criar uma sensação de desconforto.


4 – USE IRONIA DRAMÁTICA

Você não pode manter o leitor no escuro durante toda a história. Às vezes, o suspense funciona melhor quando você revela partes importantes do grande mistério para o leitor, mas não para os personagens.

Essa técnica é conhecida como ironia dramática, onde o mistério não está no que vai acontecer, mas quando e como os personagens vão descobrir esse grande mistério.

Na peça clássica Édipo Rei, o protagonista não sabe que matou seu próprio pai e se casou com sua mãe, mas a audiência sabe. Assistir a Édipo descobrindo a verdade, pouco a pouco, é o que permite que a história atinja seu clímax angustiante.


5 – GANCHOS

Cuidado para não usar esta técnica em excesso. Muitos consideram um truque fácil e amador, mas é difícil negar sua eficiência. Um gancho é quando um capítulo ou episódio é interrompido pouco antes de algo crucial ser revelado ou no meio de uma situação perigosa, onde há pouca esperança para a personagem.

A espera, seja por alguns instantes ou – no caso de George R.R. Martin – por longos anos, nos faz imaginar possibilidades sobre o que pode acontecer na sequência, resultando em ainda mais suspense.

O desastre provável apresentado no gancho é quase sempre evitado, criando um senso de resolução e catarse. Mas isso não impede que a gente se preocupe e se envolva com o protagonista na próxima vez em que ele estiver diante de um desastre praticamente inevitável.



>>> E se você quiser ver ganchos bem construídos na prática, eu recomendo a leitura do meu novo romance Kaito: reze por uma boa morte.


Além da gamificação do Apocalipse e de um passeio por uma Tóquio infestada de ghouls, você vai conhecer uma história construída para não permitir que os leitores larguem o livro. E muito disso foi feito através do suspense.


Depois me fala onde cada técnica foi aplicada. Vai ser um belo exercício de escrita.

170 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page