Buscar
  • Bruno Crispim

sobre o que é a sua história

Atualizado: Mar 10





Me diga sem rodeios: sobre o que é a sua história?


Você consegue me responder em apenas uma frase? Não? Então, existe uma grande chance de você se perder no meio da história e sentir na pele o bloqueio criativo.


Escrever um romance pode ser uma experiência tortuosa para quem não planejou a sua escrita. Um storyline (resumo esquemático da trama central) é uma ferramenta importante que pode prevenir que você se perca no caminho. Ou que trave ao olhar uma folha em branco.


Contudo, para chegar ao storyline, precisamos falar antes do logline.


O logline é uma ferramenta importante para prevenir esses males. Melhor ainda, é simples. Em resumo, logline é uma frase que responde a três perguntas:


> QUEM: o que faz o protagonista ser interessante?

> DESEJO: o que ele quer acima de tudo?

> OBSTÁCULO: o que o impede de conseguir o que deseja?

Exemplo do filme Argo (2012):

Um especialista da CIA (protagonista) inventa uma operação secreta que produziria um filme falso para resgatar seis diplomatas norte-americanos (desejo) durante a crise iraniana dos reféns de 1979 (obstáculo).


Exemplo do livro O Segundo Caçador:

Jovem advogado (protagonista) decide eliminar quem acredita ser nocivo à sociedade (desejo), mas precisa esconder seus crimes da namorada enquanto tenta se convencer de que não é um dos monstros que caça (obstáculos).


Existem algumas dicas para deixar um logline mais interessante:

· Use a terceira pessoa.

· Não use o nome da personagem (ele não representa nada ainda).

· Use um adjetivo (e apenas um) que defina ricamente e traga atenção ao protagonista.

· Seja breve. Use entre 20 e 30 palavras.

· Trata-se de uma ação. Seu protagonista deve ser proativo.

· Se for possível/interessante, coloque um deadline.

· Se for preciso uma descrição do mundo, seja muito breve.

· Não revele o final.

· O logline deve gerar interesse pela história.


Nem sempre é fácil criar um logline de imediato. Mas os esforços se pagam facilmente. Com ele na cabeça, ou impresso e colado bem na sua frente, é bem mais difícil de se perder na história.

Com uma breve relida, você saberá se manter fiel ao núcleo dramático do enredo, e saberá o que não pertence à trama. Essa “sobra” deve ser eliminada (por não fazer parte da sua história) ou tratada como subtrama (sem ganhar atenção demais).


Se você já terminou a sua história, o logline é uma ótima ferramenta de diagnóstico do foco narrativo. Quando uma cena não tem qualquer ligação (ainda que indireta) com o logline, é provável que ela seja desnecessária. Logo, você deve pensar em exclui-la ou realocar seus acontecimentos para o plano de fundo de outra cena.





73 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo